quinta-feira, 10 de abril de 2014

Sobre o amor e sexo

Dormia nos braços do amado. Descansava no peito de onde o amor e o sexo são palavras de ordem, são sentimentos e vontades partilhados, queridos e desejados. Amor e sexo garantido.

Se amasse igualmente outra pessoa, amaria os vazios que ainda estavam ávidos em mim para serem preenchidos. Teria portanto duas opções: Preencher estes vazios com o mesmo amado ou aventurar-me em experimentar outra árvore de fruto. Outro sabor, outras palavras, outros cheiros... Todo ser humano tem capacidade para amar quinhentas mil pessoas ou mais, ao mesmo tempo. O amor entretanto é libertino, egoísta e possessivo. Quer amar a todos, mas quer principalmente ser o único amado. O sexo por sua vez é selectivo, quando se ama. É deprimente, quando desejado fora da relação socialmente imposta e mata aos poucos, quando não pode ser saciado. O equilíbrio está dentro de cada um.

A pergunta pertinente é "como gerir". A possível resposta é "aproveite" enquanto o coração tem forças para bater forte pelo objecto amado. Amar é uma sensação tão especial quanto o bom sexo. É fugaz como o orgasmo. E é uma sensação tão boa de experimentar que não está preocupado com aquilo que o seu interior grita enquanto transborda de paixão.
(J.K.Worm)

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Autocontrole

Aprender a controlar seus impulsos e ser otimista é a sua receita de hoje em diante, porque ser resiliente faz com que a sua vida corra melhor dia após dia. Força!!

sábado, 12 de novembro de 2011

Se estás em crise...

Se você está em crise, não misture crise material, económico-financeira com crise existencial. Uma coisa não tem que estar relacionada com a outra, apesar de parecer que estão unidas.

Quando sentimos que estamos perdendo autonomia, liberdade e satisfação material, devemos relaxar para pensar melhor. Controlarmo-nos para conseguir solucionar um problema de cada vez.  Parece difícil, mas NÃO É. O que é preciso é ACREDITARMOS EM NÓS MESMOS!

Uma empresa de quinze, vinte anos, não vai à falência por incompetência dos seus gestores (às vezes isso acontece, mas não é ao fim destes anos que se nota. Quando há incompetência, ela é sentida precocemente). Uma empresa com raízes vai a bancarrota quando os impostos lhe come a alma do negócio, quando anula a possibilidade dos seus segredos serem valiosos, quando cobra caro para manter-se, quando extrapola os valores das obrigações, quando não dá possibilidade de manter seus colaboradores... Estes e outros motivos que não foram provocados por nós, fazem a destruição daquilo que nos empenhamos e sonhamos.

Mas isso não é nada ao pé do que somos: Somos irreverentes, corajosos, inventivos, autónomos... Inteligentes. E esta inteligência é notada no equilíbrio...

...E é neste equilíbrio mental que vamos nos basear para criar uma SOLUÇÃO, com força e coragem para nos REINVENTARMOS.

Bem haja!
Joice Worm

segunda-feira, 28 de março de 2011

Euforia e Depressão

Em momentos de euforia, retire forças e sabedoria para enfrentar um mal momento, sem pensar nele. Aprenda que você é invencível, que pode ser feliz a tempo inteiro, se quiser, que não tem medo de nada, que sente-se capaz para solucionar qualquer tipo de problema... daí, quando estiver triste e deprimido, pode procurar esta reserva verdadeira que há dentro de ti.

Bem haja!

Joice Worm

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Um dia zen, atrás do outro...

Já devem ter notado que eu ando muito zen... Aliás sempre estive muito ligada ao mundo espiritual. Digamos que andei a experimentar uma forma carnal de ser e levei na cabeça, todas os efeitos terríveis da sociedade: angústias, decepções, esgotamentos, tristezas, depressões... sei lá. Uma roda viva de sentimentos deste gênero. Mas... De qualquer forma, havia dentro de mim qualquer coisa que me sustentava.

Não vou dizer que se chamava "Deus" porque não estou falando de religião. Estou falando de mim mesma. De uma crença em algo superior que me levantava e me fazia acreditar que eu conseguiria despertar no dia seguinte com uma nova idéia.

Todos os dias, descobria que eu era capaz. Todos os dias, me via experimentando "coragem", "vontade" e "positivismo". Entretanto esqueci de uma coisa: Aprender a estar em "silêncio".

Esta é a minha prática de hoje em diante: Calar para ouvir o meu interior e ouvir os sons de tudo aquilo que não tenho dado atenção... Ontem ouvi pela internet o barulho da água do mar, do rio e de uma cachoeira. Incrível... NÃO TEM NADA A VER com o que eu realmente já ouvi. Eu conheço estes sons e não senti que o que ouvia era verdadeiro. Daí, fechei os olhos, lembrei de mim a beira mar e conseguir ouvir tão bem e tão alto as ondas a virem bater na areia, que até senti a possibilidade de estar com os pés molhados. Lembrei-me das praias de Arembepe, do Farol da Barra em Salvador, de Itapoã...

Esta é a descoberta que queria falar. Um mundo interior recheado de sons, cores e até sabores que habitam dentro de mim. Um delícia!

Digamos que estou bem. E cada vez me sinto melhor dentro desta maneira de pensar.
Agora vou descobrir a minha verdadeira missão. Não posso desaproveitar uma vida inteira.
Dizem que pedimos para nascer porque sabemos o que queremos fazer com o corpo que recebemos, a família, amigos e vida social que escolhemos.... Hum... Acho que sim.

Vamos a isso.
Bem haja!

Joice Worm

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Do corpo e da alma

Por falar em um corpo que sustenta a alma e alma que sustenta um corpo...

Quando elevamos a nossa alma acima das interferências da Terra, nosso corpo ganha saúde, juventude e vida, e este conservado, dá a alma mais tempo para aprender a superar-se a níveis elevadíssimos de sabedoria.
Bem haja!

Joice Worm

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Om Mani Padme Hum

Há duas opções para seguir vivendo: Feliz ou infeliz.

Acho que devemos praticar seja o que for daquilo que nos possa levar ao estado mental de maior equilíbrio e serenidade.

Andei atormentada pela novidade da crise económica do mundo e no seio familiar... Sofri uns tempos achando que fizemos algo de errado ao longo da vida profissional, mas não...
Compreendo que muito do que vivemos hoje é fruto daquilo que pensamos ontem.
Sempre tive medo de não chegar onde queria e este medo me construiu um caminho de indecisões e dúvidas. Continuei sem perceber que ainda fazia na minha mente mais alguns quilómetros para andar...

Agora despertei e descobri que a engenharia da estrada que ainda me falta caminhar, depende de mim mesma.

Inspirei e expirei levemente deixando entrar os maus pensamentos e imediatamente colocando-os para fora purificado pela minha compreensão.

Aprendi a canção que me leva à limpeza mental: OM MANI PADME HUM que me deixa leve de pensamentos, de ideias pré-concebidas, de vivências passadas ou desejos de futuro.
Enquanto entoo a canção, a mente não encontra espaço para maquinações absurdas, mas sim, encontra uma calma em um lugar que só existe no interior de cada um.

Não me converti em religião alguma. A utilizo como veículo para chegar o mais rapidamente possível à compreensão e entendimento de tudo o que está acontecendo comigo e com os outros.

Digamos que no momento em que estou conectada com o meu interior, não penso em facturas, em más atitudes, em sofrimentos... mas sim, vejo e revejo na minha mente o mundo da forma que imagino e como gostaria de estar neste exacto momento.

Esta estrada que construo hoje, é a estrada que andarei amanhã.

Mani - para alcançar a iluminação
Padme - porque a flor de Lotus nasce na lama e não se contamina
Hum - finalmente para alcançar a sabedoria

Bem haja!

Joice Worm

Páginas publicadas